Audiovisual


O filósofo foi ao cinema

junho de 2018

Edição: 20


O ano de 1927 talvez tenha sido um dos mais decisivos na vida de Walter Benjamin [1892-1940], sobretudo em sua relação com a política e, especialmente, em sua interpretação da trama que se estabelece entre política e cinema.

QUEIMEM OS POETAS MALDITOS!

junho de 2018

Edição: 20


Não é porque você se tornou artista que isso te eximirá de ser um completo idiota. Ser artista não te salva de nada: nem das agruras da vida, nem da timidez, nem da falta de consistência política, nem da burrice, nem da canalhice.

UM FILME DE SÉRGIO BIANCHI

junho de 2018

Edição: 20


Há tretas que valem textão no facebook, há tretas que valem um doutorado. O filme em questão merece um meme.

Recordações do Não-Vivido

junho de 2018

Edição: 20


É curioso demais reviver o não-vivido. Ter aquele tipo de memória do que foi vivido por outros, mas não experienciado pessoalmente. Mais curioso ainda, é imaginar que essa memória existe, de alguma maneira, porque um pedaço de si já esteve no passado, no corpo e mente de pessoas que sequer sabemos o rosto.

CINEMA EXPANDIDO: Notícias do Cine Tupy para um futuro em ruínas

março de 2018

Edição: 19


É preciso se adaptar, deixar que o corpo seja invadido pelo cinemão, abandonar o mundo-de-fora; os carros que atravessam barulhentos as avenidas, os casais que passeiam de mãos dadas...

O discreto charme do cinema brasileiro contemporâneo

março de 2018

Edição: 19


Quem já presenciou o vai-e-vem glamuroso dos festivais ou já foi hipnotizado pela variedade de camisas estampadas com flores, geometrias graffiti e caveirinhas, não suspeita que aquelas pessoas estejam, na verdade, absortas na nobre tarefa delegada aos cineastas do segundo milênio: capturar o real.

O Cinema Sádico de Alexandre Guena

março de 2018

Edição: 19


Tem gente que recebe Deus quando filma, tem gente que filma procurando Deus. Em trocadilho com o que diz o cancioneiro popular, tomo o dito por empréstimo para me ater a uma premissa teológica que creio ser a mais adequada para acomodar o trabalho cinematográfico de Alexandre Guena.

CÂMERA AUTOMÁTICA

outubro de 2017

Edição: 17


É bem provável que sobrem a câmera na mão, a ponta no pé, a máscara no rosto. É bem comum sobrar a trilha sonora escolhida. É presuntivo que restem elementos que não se encontram porque lhes falta aquilo que lhes daria algo em comum: a ideia. Aquilo que os faria, como em uma assembleia, dialogar sobre o motivo daquela reunião.

2018 | Revista Barril - ISSN 2526-8872 - Todos os direitos reservados.