Música


Xangai, o gato-pingado tresloucado que teima em guardar a moribunda alma desta terra

abril de 2021

Edição: 22


A caça pela diversidade musical, indelével em Xangai, faz as palavras de Elomar ganharem carimbo definitivo. De fato, um felino, um dos últimos de sua espécie, desvairado pelo som ancestral destas plagas.

TODA MÚSICA ESCONDE UMA PAISAGEM

abril de 2021

Edição: 22


E o ouvinte de hoje não quer tanto escutar músicas, no sentido antigo, mas escutar gestos com os quais possa se identificar. Queremos o gesto único, insubstituível, e a coragem que dele emana.

Baiafro como princípio: Djalma Corrêa e a percussão afro-brasileira

março de 2021

Edição: 22


“Baiafro é uma proposta cultural, a busca de uma nova linguagem em música e em dança, que reflita os anseios e o modo de ser do homem atual. Por ter nascido na Bahia, é negro, por ser brasileiro, mestiço e mutante, como todo o produto do terceiro mundo”.

Ópera rock de favela – um rolê pela cabeça de Mateus Fazeno Rock

março de 2021

Edição: 22


Rolê nas ruínas é uma ópera rock de favela, contemporânea e realista, sem as cafonices de época dos clássicos do gênero, como alienígenas, seitas religiosas e o sofrimento que é ser um rockstar milionário.

O pagador de promessas – um passeio pelas músicas e obra de Gerônimo

março de 2021

Edição: 22


Sua figura é, ao mesmo tempo, culta, politizada e debochada, além de sempre muito exigente com a música, sem modéstia: Gerônimo está na linhagem de Xisto Bahia, Dorival Caymmi, Caetano e Gil, ao melhor estilo da cidade d'Oxum – aquela que é doce e vive se olhando no espelho, sem dispensar um tanto de vaidade.

O Intelecto e o Esqueleto

julho de 2020

Edição: 21


O canção é uma parceria entre Mateus Dantas e o veterano compositor Roberto Araújo. “A música nasceu a partir da sensibilidade de olhar o outro: o outro descartado, abandonado, desprezado,…

A GUITARRA FICOU DOCEMENTE OBSCENA

março de 2020

Edição: 21


No Carnaval dos 70 anos do trio elétrico, a Revista Barril acompanhou os movimentos de Armandinho no verão de Salvador e produziu um perfil sobre o comportamento do herdeiro da fobica.

Música trans, música tudo: Malka e a Trava Bizness

março de 2020

Edição: 21


Notas sobre a primeira gravadora brasileira voltada para artistas trans e sobre o nome por detrás da ideia.

Zé Manoel – Percurso aberto

junho de 2018

Edição: 20


Quem vê as apresentações dobradinhas de Zé Manoel na Casa da Mãe se repetirem sempre cheias, com o músico circulando à vontade e cheio de sorrisos pelo Rio Vermelho, acha que sua relação com Salvador começou por causa das apresentações de Canção e silêncio.

Toshiro moleque doido

junho de 2018

Edição: 20


Desde o début com São Mateus não é um lugar assim tão longe, Rodrigo Campos vem elaborando propostas complexas em seus discos. Há sempre fios esticados em tensões corajosas no encadeamento de seus trabalhos, faixa a faixa, disco a disco.

Guri

junho de 2018

Edição: 20


A composição é uma homenagem ao grande baterista Nenê. Reverência completa: o compasso de cinco mexendo em ritmos brasileiros, o contrabaixo dobrando a mão esquerda do piano, o solo de batera no fim da música.

O BLUES DA ESTRADA ABERTA

junho de 2018

Edição: 20


Ele não era o tipo que conta mais que uma vez uma história, e sendo isso uma demonstração de veracidade, ao mesmo tempo as circunstâncias do relato estarem tão definidas em minha mente me parece que nós dois dividimos uma lembrança por simbiose.

Suíte da Chula

março de 2018

Edição: 19


Todo futuro importa

março de 2018

Edição: 19


O primeiro disco solo de Giovani Cidreira é uma costura de afetos. As canções que compõem Japanese Food são uma entrega à vida em diversos níveis.

Música popular cantada em duas fases

março de 2018

Edição: 19


Que horas são na crítica de música feita no Brasil? Dois livros lançados em 2017 apontam caminhos bastante diferentes – ou talvez complementares – no que diz respeito ao modo como pensamos a música popular cantada.

2018 | Revista Barril - ISSN 2526-8872 - Todos os direitos reservados.