EDIÇÃO 10 | Março 2017


Entre os dedos

Loucas do Riacho, coordenada criativamente por Raiça Bonfim, não se caracteriza como uma obra de fácil acesso, e acredito ser difícil formar uma opinião estando lá apenas uma vez.

Foto de Mariana David

Estranha Civilização

Sobre Mágico Mar O escafandro é a cidade submersa. Açolina e Espiga, as borboletas… Habitando uma ilha, das flores  espremem, como os amantes, um futuro findado  desde o princípio.  Não…

O Caso Wagner

A partir da coluna Martin Gonçalves, do site Feminino e Além.
As coisas do mundo estão uma loucura e é quase um problema, frente à urgência geral, ainda ter de escrever sobre Henrique Wagner.

“Maradona!” ou Deus não toma Coca-Cola

Encontro um amigo que me dá carona até o centro da cidade. Em pouco tempo estou na praça Ruy Barbosa. Dou uma volta, converso com alguns conhecidos e depois sento numa mesa para comer pastel e beber Coca-Cola.

Editorial #10

São as águas de março trazendo a nossa primeira edição de 2017. Depois de um breve recesso, voltamos com fôlego renovado, todos ávidos pelos acontecimentos em teatro, dança e performance, como ávidos devem estar nossos fieis leitores à espera de novos textos.

Questões Sobre Arte Contemporânea Negra

Se, de repente, começarmos a ouvir os artistas[1] que falam e produzem arte contemporânea negra[2] em Salvador, corremos o risco de termos um dos maiores abalos sísmicos no meio artístico da cidade.

“Sun Ra, The Shadows Cast by Tomorrow”

Na Cola de Márcio Meirelles

O tom de voz de Márcio é estável e macio, soa como se sempre imprimisse uma dose de preguiça aveludada ao dito. Há uma atmosfera de calmaria a seu redor.

Companhia de dança Ballet Vip

O cineasta Caio Araujo reverbera a companhia de dança Ballet Vip. Caio tomou como provocação shows do Ballet durante o evento #B_T_VERÃO #FAROF_DA (apresentações do grupo musical B_t_pgdão, em janeiro de 2017, na praça Tereza Batista, no Pelourinho)
Dançarino: Cristian Beell

White privilege and corpos que importam: como falar de coisas invisíveis?

Afinal, se estamos aqui nesse evento escancarando a falência da academia em lidar com nossa presença, nossos corpos, nossas estéticas, é porque tudo que vem sendo criado e pensado por vocês sem nossa presença mostra o quanto nossos corpos são invisíveis e, para vocês, não existem.

Crítica a Negras Utopias

Estamos em plena Galeria Cañizares, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, participando, como artistas e espectadores, da VII Mostra de Performance que, neste ano, traz a temática “Performance Negra, imagem, empoderamento e dissonâncias contemporâneas”.

Foto de Fábio Duarte

Como pode pesar uma fala (do lugar dela)

Confesso que vi com sincero desapontamento o texto assinado por Val Souza, sob o título “ White privilege and corpos que importam: como falar de coisas invisíveis?”, publicado no número 10 da revista online Barril, que acabo de conhecer, por via de ver meu nome citado ali.

Edições: 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1
2018 | Revista Barril - ISSN 2526-8872 - Todos os direitos reservados.